<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
18 set 2018

Seriam os dados pessoais o novo petróleo?

Hoje muito se fala sobre os dados e seu valor, a ponto de serem comparados com o petróleo. Mas será mesmo? De qualquer forma, é indiscutível sua importância. Grandes empresas mundiais utilizam como metodologia de combustão a coleta de dados e mobilizam milhões para isso. Não à toa, tem-se legalizado o uso e manipulação dos dados -  GDPR na Europa e a recente LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) aqui no Brasil.Ao analisarmos os maiores vazamentos petrolíferos das últimas décadas -  Guerra do Golfo, Kuwait, Golfo Pérsico, Poço de petróleo Fergana Valley, Uzbequistão, entre outros - o prejuízo foi grande e afetou muitos, incorrendo em consequências além da monetária.

Agora, se falarmos em vazamento de dados, quais os possíveis impactos e prejuízos?

Antes de avaliarmos os prejuízos que envolvem os dados, é importante entender o que eles representam.  No caso de dados pessoais, podem ser informações bancárias, filiação, endereço residencial e, até mesmo, preferências e hobbies. Ficha completa! Havendo vazamentos de tais dados, os usos podem ser diversos, de roubo de dinheiro até hackeamento de contas, chantagem e sequestro. Em 2016, o roubo de identidade foi um dos principais tipos de violação de dados, chegando a 62%.

Há um mercado extenso de uso de dados e uma intensa discussão acerca do limite de sua utilização, visto que os dados que estão em jogo não são das empresas que os coletam, mas dos usuários que os “disponibilizam”. Portanto, com as legislações que estão vigorando e, especificamente, a Legislação de Proteção de Dados Pessoais do Brasil, as empresas devem, desde já, pensar em como farão a coleta e o uso de tais dados, zelando sobretudo pela segurança e privacidade do indivíduo. Tal inobservância, em caso de vazamento ou uso inadequado, poderá render multas vultosas (além de perda de valor de mercado, imagem denegrida).

A LGPD foi sancionada em 14/08/2018 e as empresas terão um prazo (que já está correndo) de 18 meses para se adequarem. Cuidar da segurança dos dados de alguns milhões de alguéns pode até parecer uma tarefa árdua, mas totalmente possível. Sendo assim, a recomendação é que as empresas interajam desde já com os times de Segurança, TI, Compliance e Jurídico. Os dados sob sua responsabilidade valem ouro, ou seria petróleo?!

Arcon Serviços Gerenciados de Segurança

 

Infográfico - Roubo de Identidade

Nova call-to-action

Assine aqui!