<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
NEC
11 nov 2021

Protegendo os seus dados: 5 tópicos a serem considerados na migração do data center para a nuvem

A migração para a nuvem pelas empresas tem acontecido com cada vez mais frequência, graças a benefícios como mobilidade, suporte ao trabalho remoto, custo, escalabilidade e agilidade. Porém, ao realizar essa tarefa com urgência, muitas delas deixam de lado pontos importantes da segurança que podem causar graves consequências a médio e longo prazo. Entre eles podemos citar vazamentos e brechas para cibercriminosos, atrasos e desperdício de investimentos. 

Para aquelas organizações com uma configuração predominantemente local ou nos estágios iniciais de jornada para a nuvem, há algumas considerações importantes a serem observadas para garantir as vantagens e minimizar problemas no processo. Confira 5 delas a seguir:

  1. Definição das razões para essa mudança

O primeiro passo para uma possível migração para a nuvem é avaliar se esta estratégia é realmente viável. Neste aspecto, os gestores devem considerar o risco-benefício da mudança e como ela impactará na operação. Na prática, isso envolve a compatibilidade dos sistemas legados, que tipos de adaptações devem ser feitas, se haveria algum tipo de parada neste processo, entre outras análises. 

  1. Infraestrutura atual 

Para seguir a jornada para a nuvem, outro ponto importante é entender as capacidades atuais, como elas estão sendo cobertas e o que irá demandar em termos de segurança para considerar o data center e o cloud. Considere, por exemplo, como os usuários atualmente acessam os aplicativos e as mudanças após a migração. 

Durante o planejamento, é importante pensar em como a experiência esperada do usuário pode ser afetada e como melhor preparar os colaboradores. Haverá endereços IP ou entradas DNS que precisarão ser atualizados como parte da migração e afetarão os usuários finais? É possível migrar grupos de usuários de uma vez ou uma abordagem por etapas é a única opção viável? Os usuários precisarão se autenticar para se conectar ao serviço ou usarão uma rede WAN ou MPLS? Estas são algumas das avaliações que devem ser feitas. 

  1. Segurança e normas de regulamentação 

Cada infraestrutura precisa abordar uma série de normas e é preciso conhecer profundamente todas elas. Afinal, a Lei Geral de Proteção dos Dados (LGPD), por exemplo, criou graves penalidades, como multas de até R$50 milhões, para empresas que não protegem a privacidade dos dados pessoais, incluindo os armazenados em servidores de terceiros.

Se você optar por migrar para a nuvem, há maneiras de mitigar os riscos de segurança e conformidade, como avaliar o assunto com o provedor ou parceiro antes de fazer a migração. Junto à rede, as organizações precisam examinar cuidadosamente a implementação de políticas para garantir que o nível de segurança exigido seja atendido de forma adequada. 

Certas concessões podem ser necessárias para ceder a responsabilidade por áreas específicas ao provedor de serviços em nuvem. Em contrapartida, as soluções podem incluir a integração de dispositivos virtuais ou físicos que complementam a arquitetura da nuvem e atendam às demandas de conformidade.

  Sistema legado 

Outro ponto importante durante a migração para a nuvem é avaliar os sistemas legados, que podem ser um dos motivos que impedem as mudanças de forma assertiva. Normalmente, isso se deve à configuração técnica dos principais aplicativos de negócios dos quais as empresas dependem muito e que não estão "prontos para a nuvem". 

Embora alguns aplicativos possam ser re-arquitetados ou mesmo substituídos por uma solução SaaS, os sistemas legados costumam ter configurações complexas com integrações pesadas e dependências integradas. 

Para esses, as empresas precisarão de muito mais tempo para o planejamento e preparação. No entanto, diante do cenário atual, uma questão provável é "quando" eles serão movidos para a nuvem, em vez de "se" isso acontecerá. 

  1. Custos e cronograma  

A jornada para a nuvem envolve diversos fatores, como talentos, especialistas, custos envolvidos na migração, esforços a serem empreendidos, mudanças na operação e outros que, se não forem bem avaliados, podem comprometer os resultados.

Entender o que a organização deseja obter com a mudança deve conduzir os estudos sobre o investimento inicial, ao invés de quão rápido e barato alguém pode chegar lá. Há muito em jogo, especialmente no cenário corporativo atual. 

As organizações precisam pensar sobre o tipo de agilidade e flexibilidade de negócios que desejam alcançar e como a mudança para a nuvem pode dar suporte a isso. Isso levará a ganhos de longo prazo que, em última análise, superam em muito os custos necessários para chegar lá. Porém, é preciso avaliar todos os pontos citados de forma minuciosa, sob pena de ter prejuízos ao invés de bons resultados. 

Além disso, é fundamental realizar uma estratégia que atenda as demandas da empresa, além de analisar se é necessário fazer a migração para a nuvem de forma completa ou desenvolver uma infraestrutura que utilize o melhor dos dois mundos.

Consultoria NEC Data Center

Subscreva aqui!