<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
NEC
12 abr 2022

Raízen torna conectividade ágil e escalável ao adotar solução Wi-Fi com inteligência artificial

Clezia Martins Gomes – MTB 36.500

No segundo dia do evento digital Latam Teco Vision Forum, o CIO da companhia, José Eduardo Massad, apresentou o case ao público, contando sobre o projeto desenvolvido em parceria com a NEC e a Juniper. A solução está baseada na nuvem, faz ajustes automáticos para garantir excelência na experiência de mais de 6.000 usuários, de quatro unidades operacionais, e tem gestão otimizada, existindo planos de expansão para outras operações no Brasil e no exterior nos próximos anos

Um dos casos de sucesso destacados no Latam Telco Vision Fórum, realizado nos dias 16 e 17 de março, pela Telesemana, publicação latino-americana on-line especializada em telecomunicações, foi a implementação bem-sucedida de uma nova solução Wi-Fi com inteligência artificial pela Raízen, uma das maiores produtoras globais de açúcar, etanol e bioenergia, além de uma das maiores distribuidoras de energia do mundo. O projeto foi apresentado por José Eduardo Massad, CIO da companhia.

Segundo Massad, o desafio da Raízen era melhorar a experiência de uso dos sistemas de telecomunicações no período pós-Covid, garantindo mobilidade, maior extensão de banda larga, escalabilidade, monitoramento constante de desempenho e da satisfação dos usuários. Tudo teve início com o anúncio da pandemia da Covid-19, que trouxe uma nova realidade para a companhia, na qual mais de 3.000 colaboradores passaram a trabalhar remotamente, enquanto a grande maioria locada nas unidades operacionais se mantiveram no trabalho presencial. 

“Esta era uma nova realidade e tivemos de nos adaptar para atender às novas necessidades do trabalho híbrido, que tende a vigorar agora, no chamado “novo normal”, que exige espaços mais colaborativos, criativos e dinâmicos, nos quais não existem lugares físicos”, explicou o CIO da Raízen. Por esta razão, apesar de ter uma boa infraestrutura de TI e telecomunicações, se tornou difícil manter uma rede de banda larga baseada em cabos, concentrada em determinada região, e era necessário ampliar a oferta de Wi-Fi em todos os escritórios e unidades industriais.  

A Raízen tinha uma infraestrutura em Wi-Fi, mas antes da pandemia a utilização das salas de teleconferências era pequena, pois muitas reuniões ocorriam presencialmente, e era possível trabalhar com uma banda larga pré-definida.  “Agora é preciso atender aos usuários instalados em seus escritórios, nos mais diversos lugares, fazendo reuniões simultâneas por vídeo, cujas transmissões precisam ter qualidade e a menor latência possível. Por isso, nossa infraestrutura de Wi-Fi precisa ser altamente escalável e estar pronta para compreender as variações contidas na nova realidade”, afirmou Massad.

Diante deste cenário, de acordo com o executivo, hoje, o consumo do Wi-Fi varia no decorrer de cada dia, assim como surgem imprevistos e abertura de tickets junto à área de TI, e com os usuários mais diversos. “Isto demanda uma equipe de suporte mais preparada para lidar com situações inesperadas e novas necessidades, o que nos motivou a buscar a ajuda de nossas parceiras, a NEC e a Júniper, para ajudar no desenvolvimento de uma nova solução Wi-Fi, baseada em inteligência artificial (IA)”, disse Massad.

A nova solução da Raízen tem toda a parte da experiência do usuário habilitada por IA, on-line e próxima do tempo real, o que possibilita o monitoramento constante do tráfego e a realização de ajustes no momento em que as coisas estão acontecendo, evitando que o usuário sinta oscilações e seja prejudicado. “Ou seja, a ferramenta faz a adaptação automática e dinâmica dos sistemas, não necessitando, em geral, de intervenção humana”, detalha o executivo da Raízen. Outro diferencial é que esta solução, pertencente à sexta geração da tecnologia Wi-Fi, com maior velocidade, menor latência e possibilidades de erros, e está totalmente instalada na nuvem. 

“Nos escritórios pudemos evidenciar, pelo monitoramento dos controles e pela percepção dos usuários, que a qualidade e velocidade da banda Wi-Fi é muito satisfatória nos quatro edifícios, nos quais a solução está instalada e comporta o acesso de mais de 100 dispositivos, por 6 mil pessoas”, ressaltou Massad. Ele também reforçou que a Raízen já comprovou a facilidade de manter toda a gestão da solução na nuvem, em uma ferramenta centralizada, o que ajuda a resolver as eventuais ocorrências com agilidade. “A solução trouxe estabilidade, velocidade e grande eficiência para a nossa rede, deixando nossos usuários muito mais satisfeitos, tanto é que, apesar de terem um sistema de contingência com acesso por cabos, para evitar quaisquer imprevistos, eles não têm precisado utilizar”, assegurou o CIO. Massad completou informando que a Raízen já tem planos para implementar a solução Wi-Fi com IA em outras unidades no Brasil e em outros países em um futuro próximo.

Conheça um pouco da Raízen

A Raízen é uma companhia integrada de energia, que vai da produção agrícola à distribuição de produtos e serviços ao consumidor final. Com atuação em negócios diversos, a empresa tem 35 parques de bioenergia, que produzem açúcar e etanol, bem como outros subprodutos de combustíveis, além de uma rede de lojas de conveniência. É uma grande empresa, com mais de 40 mil empregados e capacidade total para produção de mais de cinco milhões de toneladas de biomassa, que resultam em 1,5 Gigawatts de energia, o que torna todas as suas unidades energeticamente autossustentáveis. 

Referência no mercado mundial, a Raízen é a maior produtora mundial de açúcar e etanol e a segunda maior distribuidora de combustíveis, sendo responsável pelo atendimento de mais de 50 milhões de consumidores anualmente, entre eles mais de 5.000 clientes com atuação global. Nos últimos anos, a companhia ampliou quadruplicou seus lucros, passando de R$ 47 bilhões para R$ 200 bilhões de reais, e aumento seu Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização”) em cinco vezes, saindo de R$ 2 bilhões para R$ 11 bilhões.

Subscreva aqui!