<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
NEC
18 nov 2021

Porque o modelo de trabalho híbrido é o futuro das empresas

A pandemia de coronavírus acelerou a modernização das empresas e exigiu rápidas mudanças, como a implementação do trabalho híbrido para que pudessem se adaptar a este novo cenário. Essa inclusive, é uma forte tendência que deve permanecer no futuro pós-pandêmico. 

Para se ter ideia, segundo uma pesquisa da McKinsey com 100 executivos de setores e regiões distintas, nove em cada dez deles afirmou que irá permanecer combinando os modelos presencial e remoto, em função de análises sobre o aumento da produtividade e satisfação dos clientes desde que a crise impulsionou as adaptações. 

No entanto, para que isso se concretize de forma assertiva e com todo o potencial, é importante considerar diversos pontos, indo desde questões de tecnologia até a cultura das companhias. Acompanhe o artigo e saiba mais sobre o assunto.

Trabalho remoto: um caminho sem volta

O futuro das empresas certamente será mais híbrido. Antes da pandemia, a maioria delas exigia que os colaboradores passassem a maior parte do tempo no local. Porém, à medida que a situação foi se normalizando, o trabalho híbrido passou a ser visto com bons olhos, ou seja, os negócios pretendem continuar com o modelo pelos próximos anos. 

De acordo com o estudo da McKinsey, citado anteriormente, a maioria dos líderes espera que os funcionários, os quais não necessitam estar presencialmente conforme a função, estejam no ambiente físico entre 21% a 80% do tempo, ou um a quatro dias por semana.  

Entre os motivos para isso estão conclusões sobre o aumento da produtividade, ao menos de uma parte dos executivos. Cerca de 58% deles relataram melhorias individuais, enquanto 10% das empresas retardatárias, que podem não ter reestruturado as formas de trabalho adequadamente, afirmam que a produtividade não mudou.  Segundo a pesquisa, aquelas organizações que viram ganhos neste sentido são aquelas que apoiam conexões entre colaboradores, proporcionando oportunidades para compartilhar ideias, fazer contatos e discutir projetos.

Outros dados relevantes são da Microsoft, que vem desenvolvendo a própria estratégia de trabalho híbrido para mais de 160 mil funcionários em todo o mundo. Um levantamento realizado pela companhia, denominado Work Trend Index, com mais de 30 mil pessoas em 31 países, mostrou que mais de 73% dos colaboradores querem que o modelo continue, enquanto mais de 67% querem ter mais tempo pessoalmente com suas equipes. 

Para oferecer o melhor dos dois mundos, 66% dos tomadores de decisão de negócios estão considerando redesenhar os espaços físicos para acomodar melhor este novo ambiente de trabalho. Este, segundo a empresa, requer extrema flexibilidade. 

Os desafios de um workplace remoto para a TI

Para que o trabalho híbrido ocorra de forma a trazer benefícios em produtividade e melhor experiência dos clientes, as equipes precisam lidar com uma série de desafios para proporcionar uma estrutura capaz de atender as demandas por conexão, mas também segurança, já que além de toda a infraestrutura, é preciso também em outros pontos como equipamentos, licenças e liberações de acessos. Ou seja, toda jornada precisará ser mudada. Entre os que podemos citar estão: 

Uso de mais ferramentas 

Quando se fala na integração entre os ambientes físico e virtual, principalmente no que tange as operações corporativas, é preciso, além de adotar uma nova cultura, passar a utilizar mais ferramentas que possibilitam a interligação no modelo híbrido. 

Neste caso são desde o agendamento inteligente de salas e espaços, controle integrado de equipamentos de vídeo, som, iluminação e outros, plataformas tecnológicas de colaboração e sistemas de segurança de dados, por exemplo.

Equipamentos pessoais 

O trabalho remoto abre espaço para o aumento do uso de equipamentos pessoais pelos colaboradores, tanto no home office quanto nas empresas, o que se relaciona com o conceito de BYOD (Bring Your Own Device). Em contrapartida, as organizações podem oferecer dispositivos para utilização dos funcionários. 

Seja como for, nesse contexto é essencial investir em estratégias de colaboração e segurança que englobem estes equipamentos, de modo a proporcionar integração e evitar ameaças cibernéticas que podem levar a vazamento de dados, corrompimento de arquivos e documentos, entre outros, capazes de trazer graves prejuízos.

Uso de redes privadas (e públicas)  

Implementar o modelo de trabalho híbrido também requer a integração entre o uso de Redes Virtuais Privadas (Virtual Private Network – VPN), que garantem a criptografia do tráfego da internet e consequentemente a segurança de dados, e de redes públicas, alocadas em servidores externos e que permitem a comunicação através do armazenamento na nuvem. No entanto, essas não podem ser usadas para o compartilhamento de arquivos e impressoras, como ocorre com a VPN.

Incorporando uma comunicação integrada e segura 

Quando se parte da força de trabalho híbrido, é preciso pensar tanto nos colaboradores que estão trabalhando remotamente quanto naqueles que se encontram no escritório. Para isso, são necessárias ferramentas que promovem uma comunicação integrada e segura. 

Isso pode ser possibilitado por um ambiente moderno, seja ele físico ou digital, fruto de uma parceria entre a NEC, a Microsoft Teams e a AudioCodes. Hoje, a plataforma da Microsoft, que visa a integração entre estes ambientes, conta com mais de 250 milhões de usuários ativos, enquanto em abril de 2020 este número era de 75 milhões. 

Esse acelerado crescimento se deu pela necessidade de integração entre os métodos de trabalho dentro das empresas, que requerem soluções envolvendo chats, reuniões, videoconferências e chamadas. Através da parceria com a NEC e a Audiocodes, é possível aos negócios terem uma solução integrada de chamada de voz e monitoramento, a qual auxilia a simplificar operações de rede de voz, melhorar a experiência do usuário e reduzir o tempo de inatividade. Os clientes podem acessar todos os dados de chamadas atuais e históricos e informações da camada de dados subjacentes com apenas alguns cliques. 

Esse serviço de integração proporcionado pela parceria entre a NEC e a Microsoft, com monitoramento da Audiocodes, promove comunicação integrada, colaboração e proteção de ataques, aumentando a eficiência com segurança.

Na prática, se conecta pessoas através da tecnologia, com o Teams integrado à plataforma de voz, seja operadora ou sistema de PABX. Ou seja, se consegue falar com colaboradores e também com públicos externos através de uma única plataforma colaborativa. Isso vale tanto para empresas que estão migrando totalmente para a nuvem ou que buscam preservar alguns sistemas on premises, já que os projetos são altamente flexíveis. 

Alguns exemplos de projetos são para aquelas organizações que só querem conectividade para instalar o PABS interconectado com o Microsoft Teams, ou visam melhorar os canais de comunicação, como contact center. A solução oferece inúmeras possibilidades, porque pode integrar tanto o colaborador como absorver a estrutura de atendimento ao cliente.  

Há um portfólio completo de soluções homologadas pela Microsoft. Alguns exemplos do que pode ser feito são a criação de áreas comuns na estação de trabalho, salas de reunião dinâmicas, audioconferência, videoconferência e áreas de foco, onde estão mesas e cadeiras para rápidas reuniões com dispositivos de qualidade. Tudo isso pode ser colocado em prática pelas empresas com os serviços da NEC, Microsoft Teams e Audiocodes. 

A ferramenta traz não apenas a telefonia, mas funcionalidades completas contemplando: comunicar (chat, reuniões), colaborar (compartilhamento de conteúdo e comunicação de grupo de trabalho em tempo real), conectar (integração com outros sistemas) e segurança. 

Seja em rede pública ou sistemas legados, é possível alcançar os objetivos de negócio tanto com sistemas de telefonia convencional quanto na nuvem e muitas outras possibilidades, bem como prover a flexibilidade mantendo o budget limitado das organizações. 

Acesse o webinar gravado

Subscreva aqui!