<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
NEC
05 abr 2022

Imaginando as smart cities: como as tecnologias estão sendo integradas nos centros urbanos

As cidades inteligentes já são realidade em diversas localidades, como, por exemplo, Xangai. Inclusive, segundo um ranking da Juniper Research, a cidade chinesa é líder mundial quando se trata do conceito de smart cities, seguida por Seul, Pequim, Barcelona e Nova York. De acordo com a mesma fonte, trata-se de um mercado que deve chegar aos 70 milhões de dólares em 2026. 

Outra cidade que já utiliza a tecnologia para criar um ambiente moderno e eficiente para seus habitantes é Lisboa. A NEC apoiou a cidade histórica a dar um passo em direção ao digital sem perder suas características únicas que atraem turistas e encantam diariamente seus moradores. 

 

Com o 5G se espalhando pelo mundo, a tendência é que novas soluções sejam aderidas com maior velocidade ao redor do mundo. 

Esse movimento possibilitará cidades mais seguras, gestão de gastos públicos com maior transparência, melhor conectividade para a população e menores custos para a gestão desses espaços e também na implantação de novas tecnologias, já que a infraestrutura é desenvolvida para ser aberta e escalável. Entre as áreas que mais irão se beneficiar com essas iniciativas estão a segurança pública, gerenciamento urbano, trânsito e saúde – pilares fundamentais para entregar qualidade de vida aos habitantes.

Exemplos de como o gerenciamento do trânsito pode ser mais inteligente nas smart cities 

No contexto das smart cities, a gestão do trânsito certamente é uma das que mais pode se utilizar de tecnologias disruptivas e da quinta geração de internet para se tornar otimizada e facilitada. Algumas utilizações práticas são:

  • Uso de sensores

Os sensores de internet das coisas (IoT) podem ser utilizados para fazer predições e analisar o tráfego. Além disso, os pedestres podem ter mais segurança com o uso de sensores e câmeras que conseguem antecipar seus movimentos, alertando-os com uma série de luzes quando é seguro fazer a travessia. Por sua vez, os motoristas também são avisados de que há pessoas no cruzamento.

Outro uso de sensores nas cidades inteligentes está na iluminação pública, conforme podemos ver nesse vídeo. Além de criar um ambiente seguro para pedestres e motoristas, já que oferece uma visão adequada à noite, adicionalmente, permite a economia de energia elétrica, fomentando uma abordagem mais sustentável e rentável para a administração pública. 

 

  • Gerenciamento de sinais de trânsito

Com tecnologias inteligentes, é possível automatizar sinais de trânsito de acordo com a demanda, aumentar o tempo de espera em momentos de pico ou diminuir quando não há carros, além de ter visão maior dos equipamentos que precisam de manutenção. Isso é alcançado por meio de soluções de IoT e inteligência artificial que conseguem analisar padrões, cruzar seus dados com projeções e automaticamente fornecer opções a serem adotadas por especialistas. 

  • Análise de vídeo em tempo real em estradas 

Com o edge computing (computação de borda), análises poderão acontecer com menos latência e conseguir processar volumes ainda maiores de dados. Além disso, a tecnologia pode acelerar processos como uso de tags e contagem de eixos em cobranças, 'free flow' em pedágios e drones para monitoramento das rodovias.

Um cenário que contribui para estradas mais seguras, além de melhor rentabilidade para empresas concessionárias durante o envio de equipes de manutenção ou até mesmo obras, que com o apoio da tecnologia podem acontecer com rapidez e assertividade. 

Como construir uma infraestrutura capaz de receber grandes volumes de dados

Se, há alguns anos, a coleta de um grande volume de dados para a gestão das cidades era vista apenas com uma tendência com grande potencial, hoje já existem vários exemplos de smart cities que vem utilizando essas informações de forma estratégica. 

Como resultados, existem impactos positivos importantes na forma como as localidades operam e se desenvolvem. Além disso, cidadãos são envolvidos, já que podem ter acesso a estes dados e tomadas de decisão. 

Uma pesquisa da Deloitte junto a representantes de cidades de todo o mundo aponta que mais de 90% delas já utilizam dados em suas operações diárias, de modo a implementar uma infraestrutura cada vez mais moderna e inovadora para a população. 

Nesse sentido, é importante frisar que as empresas também estão se preparando para isso. O sistema aproxima pessoas de espaços e tecnologias, levando o mercado a ter bons resultados em produtividade, automatização e possibilidade com a infraestrutura do 5G que está sendo construída.  

A adesão à quinta geração de rede móvel irá acontecer rapidamente, exigindo das provedoras e empresas de telecomunicações adequação dos planos de negócio e também da infraestrutura para ser possível apoiar a construção das cidades inteligentes.

White paper: Cidades mais seguras

Subscreva aqui!