<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
12 abr 2018

Gestão de Projetos de Segurança

Seja um projeto de segurança, ou não, o primeiro ponto a se pensar quando falamos em gestão de projetos é quanto à metodologia a ser utilizada. Para sua adoção, não faltam pontos favoráveis, como possibilitar um ciclo virtuoso de melhoria contínua. Mas também tem gente que joga no time do contra que afirma que o processo tende a ser burocrático. 

Ainda assim o time a favor tende a ser bem maior. De qualquer forma, o fato é que cada organização deve desenvolver sua própria metodologia de gerenciamento de projetos a fim de buscar o melhor conjunto de métodos para a corporação. Mas para isso, é fundamental questionar se:

  • A metodologia proposta traz eficácia aos processos de condução dos projetos?
  • Ela traz clareza e transparência às etapas do empreendimento?
  • Minimiza o retrabalho e ajuda na redução do estresse dos envolvidos?
  • Os stakeholders serão beneficiados?
  • Ajuda a acelerar as entregas sem comprometer a qualidade?

 

Projetos de segurança

O que há de diferente na execução de projetos de segurança de tecnologia da informação?

Primeiro, há de se entender o dilema dos projetos de Segurança que estes precisam encontrar o ponto de equilíbrio entre a aplicação das mudanças e melhorias esperadas com as restrições que serão impostas para o aumento do nível de segurança. Podemos assim dizer que não existe aumento de segurança sem restrições.

Para as lideranças que buscam estar em conformidade com as melhores práticas de segurança em seus projetos, 4 diretrizes fundamentais devem ser observadas no planejamento e execução de seus projetos:

1 - Não copie pessoas desnecessariamente em suas mensagens

2 - Esteja protegido legalmente

3 - Classifique a informação

4 - Viabilidade e disponibilidade da documentação

artigo gerenciamento de projetos.jpg

Bonificação é sinônimo de mais resultados?

É preciso respeitar a corrente daqueles que enxergam que a premiação trará um ótimo estímulo motivacional para os candidatos ao bônus e, com isso, um empenho maior na busca dos resultados. No entanto, também se deve respeitar a preocupação daqueles que temem que, em busca destas métricas, alguns valores comportamentais possam ser comprometidos.

Então, qual a melhor opção a seguir? Aqui estão quatro dicas na avaliação de uso da bonificação financeira para a sua empresa. São eles:

  1. Avalie os valores da sua organização
  2. Defina métricas de qualidade do resultado
  3. Incentive a colaboração mútua
  4. Comece aos poucos e meça os resultados

 


Os efeitos positivos dos conflitos

Os conflitos são o combustível que impulsiona nossa capacidade que pensar, questionar e comunicar. No entanto, é importante pontuar que o bom conflito é diferente de confronto.

Conflito: é quando duas ideias distintas sobre uma mesma situação podem promover a avaliação de uma solução mais adequada.

Confronto: pode ser definido com o embate, o choque – algumas vezes acompanhado de violência, no qual através da força se tenta sobrepor seus interesses perante aos do outro.

No ciclo de vida de um projeto, os conflitos não costumam aparecer nas fases de Início e de Planejamento do projeto por uma razão simples: nelas você ainda não está mudando nada no cenário onde o projeto está inserido. Normalmente, é na fase de Execução que a coisa pega. É nesta hora que a equipe do projeto - de criação, melhoria ou substituição - começa a pôr em campo os requisitos e características esperadas.

Mas é possível sim extrair ótimos resultados de conflitos. Como na sabedoria popular, duas cabeças pensam melhor que uma, logo, podemos perceber que as distintas soluções pensadas pelos integrantes de um projeto podem se complementar de alguma forma. Estas são oportunidades para alinhar as mensagens e esclarecer todos os pontos para o bom andamento do projeto, evitando que venham a ser desenvolvidos confrontos ou embates.

 

 “- Meu projeto está um caos! ”

Na busca de uma luz no fim do túnel, seguir esse processo pode ajudar a organizar a situação:

Passo 1 – Investigação
Investigue atenta e criticamente todas as variáveis que estão exercendo forças no projeto, como governança e competências dos envolvidos.

Passo 2 – Lista de problemas
Desenvolva uma lista dos itens que estão trazendo interferências negativas ao sucesso do projeto.

 Passo 3 – Ações
Com o ranking da lista em mãos, desenvolva uma proposta de ações que visem a recuperação efetiva dos itens.

Passo 4 – Reforço
Valide se o patrocinador do projeto está realmente de acordo e comprometido em viabilizar o plano de recuperação proposto.

Passo 5 – Mãos à obra
Nesta etapa, o importante é implementar as boas práticas como reuniões de progresso com análise de resultados obtidos e comunicação clara aos envolvidos.

 

Sua empresa é boa em gerenciamento de projetos?

A maturidade em Gerenciamento de Projetos significa que uma organização, através de processos uniformes e repetitivos para todos os projetos que executa, está condicionada a evoluir qualitativamente e a aumentar as probabilidades de sucesso nos projetos e, consequentemente, nos resultados da organização executora.

Para fazer essa análise, o mercado oferece algumas soluções pagas e gratuitas de modelos de avaliação de maturidade em gerenciamento de projetos.

Essa análise fomentará um ciclo construtivo em sua organização, mas não se iluda que não haverá mais problemas nos projetos. Mas, certamente, haverá uma maior clareza de atitudes, conhecimentos e responsabilidades na busca da resolução destes.

 

Gerenciando expectativas

No ambiente de gerenciamento de projetos o gerenciamento das expectativas é tão relevante que, em sua 5ª edição, o Project Management Book of Knowledge do PMI considerou a inclusão de mais uma área de conhecimento: a de gerenciamento das partes interessadas. Área focada em identificar, avaliar e monitorar quem são os envolvidos - direta ou indiretamente - em um empreendimento e, tão importante quanto, administrar suas expectativas em relação ao projeto.

Perceba que o verbo usado foi administrar e não atender. Isto porque não é mesmo esperado que a equipe de um projeto atenda as expectativas de todos os envolvidos. Logicamente, é sensato considerar a expectativa de algumas peças-chaves do projeto como, por exemplo, o sponsor. Afinal, é ele que está investindo recursos em prol dos objetivos do empreendimento. Mas para muitos outros envolvidos estas expectativas podem ser conflitantes ou que fujam dos objetivos primários do projeto, não sendo mesmo cabível atendê-las.

Isto faz parte dos desafios de um gerente de projetos: reconhecer e administrar as expectativas com maturidade e diligência são habilidades complexas, mas essenciais para o bom exercício da função.

 

Bons projetos!

Arcon Serviços Gerenciados de Segurança

 

Gestão de Projetos de Segurança

Nova call-to-action

Assine aqui!