<img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1902477713099717&amp;ev=PageView &amp;noscript=1">
Tempo de leitura 2min
NEC
19 ago 2021

O que a era de integração do mundo físico com virtual representa para a adoção de AI, Big Data e 5G

A integração do mundo físico e digital expande as possibilidades das empresas, diminuindo barreiras e entregando novos caminhos de inovação. Nesse contexto, as conexões digitais estão prestes a se tornarem ainda mais rápidas e amplas, principalmente com a adição do 5G a essa equação. 

Ao ser utilizada em conjunto com tecnologias já em fase de implementação ou até mesmo já implementadas, como Big Data e inteligência artificial (IA), os dados podem ser coletados, transferidos e analisados de maneira muito mais integrada, otimizando a operação e trazendo mais produtividade e inteligência aos diversos setores.  

Para que o conceito fique mais claro para você, iremos trazer alguns exemplos de como essa integração pode contribuir com o cenário corporativo num futuro próximo. 

Coleta de dados e análise em tempo real com a adoção de AI, Big Data e 5G

A partir de uma rede de equipamentos conectados, os quais se utilizam da velocidade e baixa latência do 5G, aliada a sensores de internet das coisas (IoT), IA e Big Data, é possível coletar, analisar e distribuir dados em tempo real. Melhorar a conectividade e manter as equipes continuamente informadas permitirá às indústrias acessarem um volume imensurável de informações, com mais eficiência do que nunca. 

Como exemplo, a utilização de sensoriamento e atuadores no campo viabiliza a chamada agricultura de precisão onde os dados da lavoura são transmitidos para sistemas de AI e a partir do correlacionamento dos dados o sistema pode atuar de volta na lavoura reagindo e identificando potenciais falta de nutrientes no solo, ataques de pestes, aumentando a irrigação entre outros. 

As fábricas do futuro

Com a indústria 4.0, a integração do mundo físico e digital se tornou ainda mais forte. A automação desses espaços criou o ambiente perfeito para habilitar o uso de máquinas autônomas. 

Os principais recursos para sua implementação já existem: sensores, controladores, big data, computação em nuvem e o 5G, que em breve estará estabelecida no Brasil. Esta nova geração de fábricas pretende otimizar o dinamismo da indústria de várias formas, como modernização da produção, aumento da competitividade, posicionamento dos fabricantes para enfrentar novos desafios e outros processos.

Para se ter ideia, segundo pesquisa da McKinsey, até 2025, os processos relacionados à Indústria 4.0 poderão reduzir custos de manutenção de equipamentos entre 10% e 40%, reduzir o consumo de energia entre 10% e 20% e aumentar a eficiência do trabalho entre 10% e 25% . 

Isso sem contar as máquinas autônomas que realizam tarefas sem a intervenção humana. Robôs com IA, por exemplo, são capazes de realizar diversas atividades impossíveis ou perigosas para o ser humano, como manusear matéria-prima tóxica, analisar componentes microscópicos, inspecionar 100% dos produtos de uma linha de produção e trabalhar por longos períodos sem pausa.

Smart Cities: Um novo mundo 

Se tem um ambiente em que as barreiras de integração do mundo físico e digital ficarão mais finas é justamente nas smart cities, ou cidades inteligentes, já que as possibilidades são inúmeras. 

Um exemplo é o monitoramento de trânsito com sensores nos faróis e pontos específicos, controlando o ritmo das ruas e ajustando de acordo com a demanda, além de gerar informações sobre o hábito da população, uso do transporte público, entre muitas outras utilizações. 

A inteligência gerada por essas tecnologias já está em adoção, mas ainda há muito a ser construído com o 5G e Open RAN, criando ambientes mais integrados e autônomos. 

Para auxiliar neste processo, a NEC atua como orquestradora do mundo digital da sociedade e da indústria. 

Acesse o report

Nova call-to-action

Subscreva aqui!